Novas descobertas sobre meditação e estresse

meditação

Novos benefícios da meditação têm sido descobertos diariamente e o ambiente de trabalho está sendo um dos grandes beneficiados. O motivo? Os altos níveis de estresse presentes nesse cenário.

Em especial uma técnica meditativa chamada mindfulness tem se mostrado uma grande aliada quado se trata de estresse. Pode-se traduzir mindfulness como “atenção plena” e seu foco é simples: estar presente no aqui e agora.

Meditação como resposta ao estresse

Uma nova pesquisa publicada na Psychoneuroendocrinology descobriu que os praticantes de meditação a longo prazo têm uma recuperação mais rápida do cortisol do estresse. Os resultados sugerem que a prática de mindfulness pode melhorar a resposta psicofisiológica ao estresse, reduzindo as emoções autoconscientes.

“O estresse é responsável por uma variedade de resultados negativos para a saúde e afeta a qualidade de vida e o bem-estar. Assim, a pesquisa sobre abordagens comportamentais que podem ajudar a atenuar a resposta ao estresse é de extrema importância ”, explicou a autora do estudo Liudmila Gamaiunova, uma candidata a doutorado na Universidade de Lausanne.

Como funcionou o estudo

O estudo comparou 29 praticantes de meditação a longo prazo – pelo menos 3 anos de no mínimo 3 horas na semana – com um grupo de controle de 26 não-praticantes.

Gamaiunova e seus colegas examinaram como os participantes responderam ao Trier Social Stress Test, uma técnica experimental comum para induzir uma resposta ao estresse, na qual os participantes foram solicitados, em pouco tempo, a concluir um discurso de 5 minutos e uma tarefa matemática de 5 minutos na frente de um comitê hostil, uma câmera e um microfone.

“Embora seja cedo para falar sobre evidências conclusivas de efeitos robustos da meditação na fisiologia da resposta ao estresse, este estudo, entre outros, demonstra que a prática contemplativa pode realmente estar relacionada à maneira como nosso corpo lida com ameaças”, disse Gamaiunova PsyPost.

“O estudo mostra que a meditação está relacionada à recuperação fisiológica do estresse e propõe uma explicação apoiada pelos dados: os meditadores são mais propensos a usar uma estratégia de aceitação da regulação da emoção, caracterizada pelo não julgamento e receptividade às nossas experiências.”

Um crescente corpo de pesquisa sugere que a meditação pode ajudar na luta contra o estresse. Por exemplo, um estudo anterior, publicado na Psychiatry Research, descobriu que pacientes com transtorno de ansiedade reduziram as respostas de cortisol ao Teste de Estresse Social Trier após fazer um curso de meditação de atenção plena.

Mas o novo estudo – como todas as pesquisas – inclui algumas limitações

  1. “Primeiro, quando falamos de práticas meditativas, precisamos ter em mente que existem várias abordagens contemplativas que nem sempre funcionam da mesma maneira. Um número crescente de pesquisadores projeta estudos que nos permitem diferenciar os efeitos de diferentes tipos de meditações. Estudos futuros devem nos ajudar a ter uma ideia de quais tipos de práticas contemplativas estão mais relacionados à resposta psicobiológica ao estresse ”, explicou Gamaiunova.
  2. “Segundo, a resposta ao estresse é bastante complexa: para entender como a prática de mindfulness afeta nossa fisiologia, precisamos investigar a dinâmica complexa da resposta ao estresse: estamos ficando estressados ​​já antecipando algo desagradável? Quanto tempo continuamos estressados ​​após o perigo acabar? A prática da meditação pode afetar algumas ou todas as fases de nossa resposta ao estresse. ”
  3. “Terceiro, precisamos entender os mecanismos psicológicos subjacentes aos efeitos benéficos do treinamento contemplativo em nosso corpo. Os meditadores aprendem a avaliar os estressores de maneira diferente? Eles experimentam as mesmas emoções passando por estresse? Como a meditação está relacionada à regulação emocional? Essas questões são muito importantes para a nossa compreensão do que torna as abordagens contemplativas eficazes ”, acrescentou Gamaiunova.

“E, é claro, precisamos de mais pesquisas sobre intervenções mais curtas, pois nem todo mundo é capaz de dedicar milhares de horas à prática meditativa.”

O estudo, “Exploração de mecanismos psicológicos da resposta ao estresse reduzida em praticantes de meditação a longo prazo”, foi de autoria de Liudmila Gamaiunova, Pierre-Yves Brandt, Guido Bondolfi e Matthias Kliegel.

Este artigo foi traduzido e adaptado do site PsyPost, escrito originalmente por ERIC W. DOLAN, em 13 de abril de 2019.

Fique atento ao nosso próximo artigo para saber mais!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Atenção Plena
Autoconhecimento
maisPS

A Meditação na Liderança – Entrevista

Para explicar melhor sobre as práticas que podem ajudar a aperfeiçoar a maneira como você lidera, convidamos o co-fundador da maisPS, Daniel Spinelli,  estudioso, professor

Saiba mais
Detox Digital
Autoconhecimento
maisPS

Detox Digital

Detox Digital Será possível? Em meio à correria do dia-a-dia para resolver nossos problemas profissionais, os problemas da família, e ainda lidar com um cenário

Saiba mais
Executiva meditando sobre a mesa
Liderança
maisPS

A meditação na liderança

O desenvolvimento da capacidade de gerir melhor as emoções, para quem ocupa cargos de liderança, torna-se cada vez mais fundamental. As competências técnicas e a

Saiba mais

CURITIBA
(41) 3357-3537 | (41) 99225-4086
hello@maisps.com.br

SÃO PAULO
(11) 4680-3576
hello@maisps.com.br