Categorias
Autoconhecimento Liderança Performance Produtividade

3 DICAS para praticar uma comunicação empática

Você não precisa “calçar os sapatos da outra pessoa” para exercer a empatia.

 

Muito se ouve falar sobre empatia como peça fundamental para uma boa gestão de relacionamentos, mas você já parou para pensar na importância que essa habilidade tem para a influência e tomada de decisão?

No mundo corporativo, você só terá sucesso se conseguir entender o que as pessoas desejam e precisam, para assim conquistar a confiança e agir de forma assertiva, seja ao tentar vender um produto, propor um negócio, adquirir novos parceiros e, principalmente, para gerenciar e propor novas formas de trabalho e projetos para sua equipe.

Quando falamos de empatia, provavelmente a definição que lhe vem à mente seja “colocar-se no lugar do outro”, o que não está errado, mas, na prática, empatia vai além disso.

Segundo a autora, Brene Brown, “A empatia consiste em quatro qualidades: a capacidade de assumir a perspectiva de outra pessoa; de afastar-se do julgamento; de reconhecer a emoção nos outros e de comunicá-la.”

Quando apenas “nos colocamos no lugar do outro” corremos o risco de tentar solucionar o problema, julgando o que ocorreu através da nossa perspectiva e, muitas vezes, sem realmente escutar, o que minimiza o sentimento alheio ou tenta tapar “os buracos” com pequenos curativos, invalidando o que a outra pessoa está passando. 

E um dos segredos para a prática da empatia está na habilidade de escutar. Sim, estamos acostumados a ver cursos e conteúdos sobre oratória, mas raramente se ouve falar em “escutatória”, e é aí que pecamos muitas vezes. 

As pessoas passam a confiar e ser mais receptivas à mensagem que você está transmitindo quando também se sentem ouvidas. Isso faz com que haja trocas mútuas e um real entendimento do que se precisa e do que está sendo ofertado, o que ajudará nas tomadas de decisão, na necessidade de influenciar as outras pessoas e na construção de relacionamentos duradouros.

 

E como desenvolver essa habilidade?

 

  1. Comece observando e escutando: ouça atentamente o que a outra pessoa tem a dizer e apenas observe os sinais que ela transmite através de expressões faciais e das demonstrações de sentimento. Somente preste atenção!
  2. Cheque a mensagem: após ouvir e observar, valide com a outra pessoa se o que você ouviu e percebeu está correto. Nomeie os sentimentos, por exemplo: “Fulano, ao te ouvir, eu entendi que você está passando por situação x, o que te deixou triste”…
  3. Identifique a necessidade: após saber o que a pessoa está sentindo, você deve tentar compreender do que ela está precisando. Tratando-se de sentimentos, muitas vezes ela precisa apenas de que você a ouça mesmo, ou de um abraço. E se estiver tratando de negócios, é neste momento que você deve pensar, estrategicamente, o que você pode oferecer que suprirá a necessidade daquela pessoa.

Todos nós temos as nossas particularidades, crescemos e somos ensinados em culturas diferentes, possuímos hábitos e realidades distintas, gostos singulares e você não precisa concordar ou gostar de  cada um. Cabe-lhe apenas agir com respeito, abertura e curiosidade. 

Cultivar a curiosidade sobre o desconhecido te ajudará a compreender cada diferença, escutando sem julgar, observando, entendendo principalmente qual a necessidade daquela pessoa e como você poderá agir diante dela.

A escuta empática é um desafio para você? Deixe suas dúvidas e/ou sugestões nos comentários e compartilhe este artigo com mais pessoas que você acredite que possam se beneficiar com ele 😉

 

 

Categorias
Autoconhecimento Gestão de Stress Mindfulness Produtividade

Porque ansiedade e estresse tornam você improdutivo

Porque ansiedade e estresse tornam você improdutivo?

De todos os fatores emocionais que dificultam ou comprometem parte das evoluções entre as gerações, a ansiedade vem ganhando cada vez mais destaque no comportamento social. Essa série de distúrbios que causam nervosismo, medo, preocupação e, por consequência estresse, acabam minando a produtividade e nos tornando procrastinadores. Mas de que modo é possível identificar como esse ciclo vicioso se inicia e por qual motivo todas essas questões estão diretamente ligadas?

 

E quem nos ensina isso é o professor Christian Dunker. Segundo ele, uma pessoa ansiosa geralmente está com os pensamentos voltados para o futuro e, por isso, ela protela as atividades que têm certa dificuldade de executar naquele momento. Dessa forma, todas as tarefas que deveriam ser prioridade, mas causam nervosismo e medo, são adiadas.  

 

Assim também acontece com o estresse, que pode estar relacionado diretamente à ansiedade. Quando a pessoa sente-se desanimada, vive frustrada e se cobra demais, isso gera pequenos bloqueios mentais que fazem com que as tarefas secundárias sejam priorizadas, causando sensação de alívio. A marca do procrastinador é avaliar a situação pela satisfação e não pelo impacto positivo que determina atitude causa na sua vida e na dos outros. 

 

Esse atraso de um ato voluntário, que ocorre apesar de sabermos que vai nos prejudicar, não é resultado da falta de gestão de tempo, mas sim, uma inaptidão para administrar sentimentos e impulsos. O professor Timothy A. Pychyl explica que deixar para o dia seguinte nada mais é do que uma estratégia do cérebro para lidar com emoções negativas. 

 

A procrastinação é nociva quando vira um hábito e torna-se recorrente em qualquer ação que se queira realizar. No momento em que sua produtividade é afetada, pela falta de conclusão de projetos pessoais ou profissionais, o sentimento de culpa, incapacidade e inutilidade vão tomando o espaço da criatividade. E assim cria-se um ciclo vicioso em que, quanto menos se faz, menos se sente apto ou competente para fazer. 

 

Descobrir quais são os gatilhos psicológicos que levam à essa inércia, é agir com a inteligência emocional de identificar os fatores que tornam esse comportamento uma constante. Desenvolver a capacidade de controlar e canalizar impulsos para situações apropriadas, conseguir olhar para o que se conquista e não o que se perde, motivar a si e às demais pessoas, são consequências de ser mais analítico e respeitoso consigo.

 

O que fazer para acabar com esse ciclo vicioso?

 

Claro que não é tão simples resolver todas essas questões do dia para noite. Mas nem tudo está perdido. É possível se planejar para tentar driblar todos os sentimentos e atitudes que nos fazem perder o foco com facilidade. Separamos algumas dicas que podem auxiliar para que essa organização seja eficaz.

 

Faça um bom planejamento

Organize as tarefas por etapas. Estabeleça prazos, pense no que vai precisar e onde encontrar os recursos para realizá-la, quem pode te ajudar, e assim por diante. Criar um cronograma diário de tarefas, por exemplo, estabelecendo um tempo de duração mais curto para a realização de cada uma, por exemplo, faz com que você não se canse da atividade e consiga finalizá-la com maior tranquilidade e qualidade, mesmo que leve um dia a mais.

 

Use a tecnologia a seu favor

Utilizar os meios digitais pode ser outro aliado das estratégias de organização e da otimização de tempo. Existem aplicativos e plataformas que auxiliam na distribuição de atividades e cumprimento de prazos. Lembretes com alarmes também podem ser facilitadores para que nada seja esquecido ou deixado de lado. Outra possibilidade é criar uma agenda compatilhada entre colegas de trabalho ou mesmo amigos. Assim fica mais difícil se perder nas tarefas.

 

Comemore cada dia

Sempre que conseguir concluir uma tarefa, se dê o devido crédito. Tire um tempo de descanso e comemore até as pequenas conquistas. Ao concluir um trabalho, conquistar um pequeno objetivo, riscar qualquer item da sua lista de afazeres, faça algo que te traga prazer, seja comer algo gostoso, ler um livro, conversar com alguém ou até descansar por 15 minutinhos.

 

Medite

Praticar o mindfulness vai te ajudar a focar no seu objetivo e entender o propósito da atividade que você está realizando no momento. O movimento de estar consciente de onde você está e porquê ajudam, inclusive, a diminuir  a ansiedade. Praticar essa atenção plena faz com que você deixe de lado os pensamentos e sentimentos externos e todas as distrações e foque na situação presente. Durante o processo de organização das suas atividades, por exemplo, garanta que todo o seu esforço e foco esteja voltado para isso. Elimine tudo que possa tirar sua concentração e preste atenção em todos os processos da execução da tarefa.

 

Invista no autoconhecimento

Olhar para dentro é o primeiro passo. Se você tem o hábito de procrastinar, não ignore seus sentimentos. Pergunte a si mesmo “O que me impede de realizar essa tarefa? Porque eu não consigo completá-la?”. Entender como sua cabeça está funcionando e quais são as limitações que você precisa respeitar, vão auxiliar no entendimento dessas questões.

Nossa recomendação é que essas dicas sejam praticadas com paciência, mas que pelo menos uma delas seja realizada. E caso seja necessário, procure cursos que lhe ajudem a desenvolver melhor sua gestão emocional. A maisPS tem um curso online que vai lhe ajudar a ter mais consciência e praticar novos hábitos – Conheça aqui. 

Categorias
Autoconhecimento Liderança Mindfulness Produtividade

A Meditação na Liderança – Entrevista

Para explicar melhor sobre as práticas que podem ajudar a aperfeiçoar a maneira como você lidera, convidamos o co-fundador da maisPS, Daniel Spinelli,  estudioso, professor de Inteligência Emocional e Mindfulness. Facilitador de aprendizagem e palestrante, fizemos uma entrevista em que ele relata a sua transformação a partir do momento que teve contato com a meditação e como essa descoberta impactou sua perspectiva para lidar com os desafios diários. 

 

  1. Daniel, para começar, você poderia compartilhar com a gente o que você, como empresário, palestrante e professor, o que fez nesses anos para aperfeiçoar a sua maneira de liderar? 

Acredito que esse aperfeiçoamento é uma busca diária, são muitas as oportunidades de se desenvolver como líder. Para mim, o autoconhecimento foi o caminho mais importante. Várias outras habilidades e hábitos surgem quando olhamos para dentro de nós mesmos. 

 

  1. E a meditação, como ela surge nesse contexto?

Há pouco mais de dez anos tive a oportunidade de implementar a meditação como um hábito diário. Isso começou como uma busca mais pessoal através de práticas de curta duração, cerca de 2 a 5 minutos por dia, depois fui percebendo os desafios dessa prática e fui intensificando, estudando mais a respeito, participei de retiros e aumentei o tempo e a frequência de prática.  

 

  1. Você poderia citar os principais benefícios que a meditação trouxe às suas relações profissionais e pessoais? 

Os principais benefícios que percebemos com a prática de meditação são internos, começamos a organizar melhor nossos pensamentos, mudar a nossa visão sobre a realidade que nos cerca e gerenciar melhor nossas emoções. Com isso, passamos a ser mais empáticos e ponderados com as pessoas, então começamos também a gerir melhor nossos relacionamentos. Respondemos às situações, inclusive de conflito e stress, com mais consciência. 

No caso de um líder, há algumas qualidades que são atribuídas a uma boa  liderança, as quais passam a ser mais naturais quando estamos trabalhando nossa atenção e a nossa qualidade de presença. 

 

  1. Como foi a sua experiência de implementar as práticas de mindfulness na sua empresa?

Essa é uma prática que eu recomendo a todas as empresas. No nosso caso, como eu ensino meditação e mindfulness, foi mais fácil, eu mesmo repassei para o pessoal que queria. Mas qualquer empresa pode disponibilizar ao seu pessoal essa prática. Já tive a oportunidade de introduzir várias equipes de empresas, inclusive de líderes, às práticas de mindfulness através de cursos e treinamentos. Os resultados foram incríveis e os feedbacks foram sempre muito positivos.  

 

  1. Como praticar e se dedicar no dia-a-dia, quando muitas outras atividades consomem todo o seu tempo? Você pode trazer exemplos e dicas?

Essa normalmente é a razão pela qual as pessoas adiam a implementação de novos hábitos de uma forma geral. Por exemplo, quando mesmo sabendo que fazer atividades físicas diariamente previne muitas doenças e traz bem-estar, nós lotamos a nossa agenda antes de definir claramente o horário em que nos exercitaremos naquele dia. Da mesma forma acontece com os novos hábitos relacionados aos cuidados com a mente, como, por exemplo, a prática de meditação de mindfulness. Se formos capazes de lembrar só alguns dos benefícios que essa prática gera, teremos mais chance de dar a devida prioridade e arrumar o tempo  necessário para tal. Dá para comparar com quando não temos tempo para trocar o óleo do carro: uma hora esse carro pode perder potência e dar defeito no motor;  no final, teria sido um investimento inteligente de tempo ter dedicado um par de horas para trocar o óleo. 

Quando levamos essa analogia para a liderança, vemos grandes profissionais de diversas áreas investindo um tempo diário para cuidar da sua mente e da sua capacidade de gerir melhor as emoções, isso faz com que essas pessoas se tornem muito mais assertivas, cultivem melhores relacionamentos e tomem melhores decisões.   

 

Veja aqui a primeira parte deste artigo –  A meditação na  liderança

Categorias
Engajamento Produtividade

O que é LMS? Funções básicas e os próximos passos

LMS, ou learning management system, é como denominam-se as plataformas de gestão de aprendizagem.

Esse  sistemas, que possuem um conjunto de funcionalidades focadas em armazenar, distribuir e gerir conteúdos de aprendizagem, de forma progressiva e interativa, permitindo, ainda, acompanhar o desempenho do usuário.

Atualmente, a indústria já movimenta quase um bilhão de dólares e, nos últimos dez anos, as soluções têm se tornado cada vez mais eficazes na união de gerenciamento de dados complexos, frameworks digitais, materiais para treinamento e ferramentas de avaliação.

Quais são as funções básicas de um LMS?

  • Relatórios e análises: permite ver quem está concluindo os cursos e se os usuários estão ou não no caminho certo. É possível monitorar o grupo, além do nível individual.
  • Design responsivo: o que garante que o conteúdo possa ser bem visualizado em vários dispositivos.
  • Interface de usuário intuitiva: não importa quantos recursos impressionantes existam se as pessoas não puderem navegar e usar o sistema com facilidade.
  • Suporte adequado ao cliente: cada fornecedor oferece seu próprio nível de serviço ao cliente.
  • Ferramentas de avaliação de e-learning: são necessárias para determinar se existem lacunas na aprendizagem que exigem intervenção.
  • Recursos de gamificação: recompensas podem ser um grande motivador para aumentar a participação.
  • Suporte para aprendizado social: esse recurso permite que os usuários interajam com seus colegas e compartilhem suas experiências.
  • Localização: suporte multilíngue aos recursos de treinamento para equipes globais.

Os próximos passos

Apesar de ainda muito jovem, o sistema vem se adaptando rapidamente às novas demandas de aprendizagem de um mundo cada vez mais ágil e conectado. Nesse sentido, o que se espera do LMS é maior integração:

  • Entre plataformas de software de colaboração;
  • Com softwares de gestão, como ERP (Sistema integrado de gestão empresarial) e CRM (Gestão de Relacionamento com o Cliente);
  • Com armazenamento de dados em nuvem;
  • Com sistemas de software de gestão de talentos;
Categorias
Produtividade

Planejamento 2020: 5 atitudes para começar diferente

Mais um ano chega ao fim e, em um piscar de olhos, outro irá começar. No meio dessa transição acontece um fenômeno de estabelecimento de metas e objetivos para o futuro. É hora de começar o planejamento!

Antes de mais nada, planejar é uma forma de dar um respiro para o início de um novo ciclo: uma página em branco, uma nova oportunidade de recomeçar. No entanto, com tantas possibilidades, em um mundo cada vez mais acelerado, nós viemos para trazer uma nova perspectiva e, quem sabe, contribuir para esse momento recheado de reflexões.

Se você é apaixonad@ por checklists, dá uma olhada nas cinco dicas e práticas que separamos para um planejamento mais sustentável.

Vamos lá?

Checklist consciente

Comece por exercitar uma retrospectiva do ano que passou. Você se lembra das metas do fim de 2018? Mesmo que não tenham sido, literalmente, escritas no papel, faça uma retrospectiva. Depois disso, reflita:

Quais pensamentos marcaram o último ano? Quais sentimentos surgiram? Quais objetivos se concretizaram? Quais as principais tomadas de decisão na vida pessoal e profissional? Esse exercício de autoconsciência será o primeiro passo para reconhecer seu próprio status interno e ajudará na tomada de decisões para o próximo ano. 

Na sequência, experimente colocar na sua lista de desejos pequeno hábitos que podem fazer uma mudança na sua vida a longo prazo, Que tal incluir no seu planejamento a prática da respiração consciente todos os dias? Veja como fazer por meio de uma atividade que só dura 1 minuto do seu dia.

A tecnologia a nosso favor

Podemos até cogitar que o mundo era mais fácil quando não havia mensagens do escritório no whatsapp pessoal aos domingos; ou quando passávamos mais tempo com nossos amigos do que nas redes sociais. Sem dúvida, sabemos que a transformação digital traz muitos paradigmas, no entanto, podemos reverter o jogo e utilizar tantos recursos a nosso favor. 

Nesse sentido, recomendamos testar alguns hábitos que podem dar um boost na sua vida. Que tal substituir sua playlist de músicas por um podcast de seu interesse? Aproveite o tempo no trânsito, por exemplo, para aprender algo novo. No trabalho, busque aplicativos e programas que podem auxiliar a sua vida. Veja alguns gratuitos que utilizamos por aqui.

  • Aprimorar a gestão da equipe ou realizar seu planejamento: Trello 
  • Se destacar na reunião com atividades interativas: Mentimenter
  • Fazer apresentações bonitas sem ser designer: Canva
  • Ficar por dentro dos eventos da cidade: Eventbrite e Meetup

 Produtividade é sobre despriorizar

Você já teve a sensação de chegar na metade do ano e sentir que nada mudou? Que o tempo passou rápido demais e que você não concretizou nenhum ponto do seu planejamento? Geralmente queremos fazer muitas coisas para nos sentirmos produtivos, quando na verdade a produtividade é sobre despriorizar

Com o tanto de demandas que nós temos hoje, a priorização virou quase impraticável… é tudo urgente e tudo importante.

Por isso, a sacada aqui é fazer o inverso, despriorizando algumas coisas. Por exemplo, ao terminar a sua lista de metas para 2020, que tal escolher apenas três itens que farão a diferença na sua vida? E estabelecer um compromisso real com elas dentro deu planejamento?

Vamos falar de impacto?

Somos seres sociais, desde uma ajuda para trocar um pneu até um socorrista que salva nossas vidas, somamos forças uns com os outros, mas muitas vezes negligenciamos isso. No mundo corporativo, por exemplo, é muito comum uma atitude individualista ou até mesmo situações em que não enxergamos o impacto do nosso trabalho. Isso acontece pela nossa dificuldade de perspectiva.

Vamos olhar para um exemplo que engloba essas duas coisas: a importância das conexões e a visão sistêmica.

João quer mudar de carreira. Uma de suas opções é deixar o emprego atual e sair distribuindo currículos de porta em porta. Mas e se, ao invés de dizer adeus e sair para a ação, ele começasse por atualizar seu perfil no LinkedIn? E, diariamente, buscasse novas conexões. Aí, depois de pegar algumas dicas com recrutadores, decidisse ser inscrever em um curso numa nova área de interesse que vai significar um diferencial?

Todos esses fatores, somados, ajudam na construção de um perfil profissional mais interessante, aumentando a chance de João conseguir uma boa oportunidade. E isso só foi possível por sua visão sistêmica e pelas conexões realizadas.

O aprendizado como prioridade no planejamento

Há uma frase do Paulo Freire que diz o seguinte: “Educação não transforma o mundo. Educação muda as pessoas. Pessoas transformam o mundo”. Sabemos bem que atualmente, sem o lifelong learning, um profissional dificilmente se mantém nas organizações. Pensando nisso, recomendamos que você inclua no seu planejamento para 2020 o aprendizado contínuo como uma das suas prioridades.

Não precisa necessariamente começar uma nova universidade ou pós graduação. Você pode encontrar formas de aprender ao seu redor. Seja por um podcast, cursos pontuais, workshops ou eventos que acontecem na cidade, até mesmo documentários da Netflix. Não deixe de dedicar um investimento em você e também nas pessoas ao seu redor.

No seu trabalho, incentive a promoção do aprendizado em equipe. Se precisar de alguma ajuda nesse quesito, é só contar com a gente!

Comenta aí quais suas metas para o próximo ano, como pretende se planejar e quais são os meios de aprender você mais gosta.

Vamos começar 2020 de uma maneira diferente?

Categorias
Autoconhecimento Gestão de Stress Mindfulness Performance Produtividade

Estresse no Trabalho? 4 Micropráticas de Inteligência Emocional

Nos últimos dois anos, mais acentuadamente, a tecnologia quebrou paradigmas que pautavam a forma como a gente se organizava socialmente. Principalmente no trabalho. E isso está gerando muito estresse: o Brasil foi considerado o país mais ansioso do mundo pela OMS.

Tempos de estresse generalizado

Além da correria diária, há desafios específicos de trabalho e pessoais que aumentam ainda mais nosso nível de estresse e ansiedade. Por exemplo, o lançamento de um novo produto ou serviço, uma importante reunião anual pela qual você está responsável. Bem como, um filho doente em casa.

Como está sua resiliência?

Essas situações requerem muita resiliência, pois são momentos que exigem posturas equilibradas e assertivas. No entanto, não é uma surpresa que, justamente nesses momentos, nossas emoções se aflorem. E isso também é perfeitamente natural. 

O segredo da alta performance

Percebemos que não há forma de excluir as emoções difíceis. Entretanto, a grande sacada é evitar que tais emoções atrapalhem o seu desempenho e te façam sofrer. 

A TalentSmart conduziu uma pesquisa com mais de um milhão de pessoas e descobriu que 90% dos funcionários de alto desempenho são qualificados para administrar suas emoções em momentos de estresse. 

Sente falta dessa habilidade? Conheça 5 práticas simples que vão te ajudar a baixar o estresse, mesmo em momentos difíceis e, mais importante, possíveis de implementar em uma rotina super corrida. 

#1 Tranquilizando a mente  

Nossa mente é como um globo de neve, precisamos de alguns instantes desconectados de tudo para que os resíduos baixem e consigamos focar.

Portanto, essa é uma forma de garantir uma melhor atitude frente a decisões difíceis, auxiliando diretamente na qualidade de presença, desativando o piloto automático e proporcionando um aumento da consciência, independente da situação. 

Daniel Spinelli, diretor da PS e professor certificado pelo Search Inside Yourself, explica neste vídeo como implementar mindfulness  (atenção plena) em apenas 1 minuto. 

#2 Atenção e presença: ative a Escuta Atenta

Escutar o outro com atenção é um ato de respeito, compaixão e produtividade. Ainda mais quando se trata de uma situação difícil, de vulnerabilidade ou desafiadora. 

A prática de Escuta Atenta consiste em parar tudo o que se está fazendo para escutar o outro. Dessa forma, você estará dando o primeiro passo que estrutura a chamada comunicação não-violenta:

  1. Observar sem julgar; 
  2. Identificar e expressar as necessidades (do outro e minhas);
  3. Nomear os sentimentos envolvidos (do outro e meus); 
  4. Formular pedidos claros e viáveis.

Esse parece um exercício banal, mas estamos condicionados a ouvir para responder e não para entender, essa diferença é crucial para a saúde das relações. Faça esse pacto com sua equipe e dê o exemplo, ouça com atenção e responda com consciência.

#3 Respire fundo! O poder das 3 respirações

Já diziam nossos avós: “Respira fundo e conta até 10”.

Nossa respiração é mais poderosa do que damos crédito. Ela tem a força para redirecionar os impulsos do cérebro que nos fazem “explodir” em momentos de estresse, raiva ou ansiedade.

A prática das 3 respirações pode ser feita em qualquer lugar, sentado ou até mesmo caminhando, em situações importantes e emergenciais. Basta respirar fundo 3 vezes:

  • Na primeira vez, mentalize apenas sua própria respiração.
  • Na segunda, pense no relaxamento do seu corpo.
  • Na terceira, pergunte para você mesmo: “O que é importante agora?”

Depois disso, perceba que, nesse estado de relaxamento, as respostas certas virão de forma mais serena, fugindo da reação automática, que muitas vezes é destrutiva.

#4 Cultive a gratidão

Em momentos de estresse nos vemos tentados e perder perspectiva e ficar presos ao sofrimento. No entanto, ao ampliar a prática da gratidão experimentamos tomar distância do problema, saindo do local de vitima e nos empoderando para lidar com as situações. Por mais desafiadoras que sejam.

Tente exercer a gratidão por pelo menos uma coisa, pessoa ou situação, naquele momento em que parece não haver saída. Além disso, você pode também ter um diário, no qual inicia o dia já agradecendo, até mesmo pelos problemas.

“O que você pratica fica mais forte”. Professora de psicologia e mindfulness, Dra. Shauna Shapiro.

Inteligência Emocional: o caminho para longe do estresse

Todas as práticas descritas acima são partes do processo de desenvolver a Inteligência Emocional, e podem ser aplicadas na sua vida pessoal e profissional. Da mesma forma, podem ser implementadas no cotidiano da sua equipe. Afinal, somos humanos e, portanto, seres complexos, ambíguos e cheios de emoções. 

Não podemos evitar que problemas aconteçam, nem que situações de estresse se apresentem a nós. Porém, implementando pausas rápidas, conseguimos fugir das reações instintivas automáticas, conseguindo lidar com situações e pessoas de uma forma mais saudável.

Quer fugir de vez do estresse no ambiente profissional?

Quer saber qual é o papel do líder em um ambiente com muita ansiedade, conflitos e estresse? E a missão do RH na capacitação dos colaboradores para enfrentarem os desafios de uma forma mais leve e equilibrada?

Preparamos um e-book completo que explica a fundo sobre como a Inteligência Emocional é uma aliada para evitar os impactos negativos gerados a partir da constante aceleração que passamos.

 

 

Categorias
Produtividade

O segredo para ser produtivo? Simplifique!

Equilibrar vida pessoal e ser um profissional produtivo nem sempre é uma tarefa fácil. Não são raros os casos em que altos executivos e CEOs renunciam seus cargos para poderem ter mais tempo disponível para suas famílias e pessoas que amam.
De acordo com uma pesquisa realizada pela Regus (fornecedora de produtos e serviços para escritórios), atualmente 48% da população economicamente ativa passam 9 horas por dia no trabalho, enquanto outros 38% ficam 10 ou mais horas.
O estudo também apontou que, de todos os países, o Brasil é onde mais se trabalha: 17% da população cumprem uma jornada de 55 horas semanais. Além disso, 45% dos brasileiros levam pendências para casa pelo menos três vezes por semana.
Infelizmente, essa longa jornada de trabalho não tem nada a ver com ser produtivo…

Então por que o brasileiro trabalha tanto?

Raphael Carvalho, presidente no Brasil da Alexander Proudfoot (consultoria global que estuda a produtividade das organizações), acredita que o excesso de trabalho não está relacionado ao aumento de demanda e nem à má vontade dos colaboradores.
Para ele, a forma como o serviço está organizado é a grande vilã: “a falta de processos bem estruturados, de métricas e de alguém para ajudar no dia a dia faz com que se trabalhe 11 horas para terminar aquilo que poderia ser feito em 6 ou 7 horas”, argumenta o consultor.

Ser produtivo e simples

O remédio para esse problema é: simplificar. O problema é que as empresas já complicaram tanto a gestão, que agora têm dificuldades para descomplicar.
Yves Morieux, diretor e sócio da Boston Consulting Group (BCG), empresa de consultoria empresarial, acredita que os executivos precisam “lidar com a complexidade sem criar complicações”. Afinal, quando uma empresa tem a simples atitude de simplificar, seu poder produtivo pode ser elevado em até 25%.

Como simplificar?

Pode-se perceber, então, que a redução das horas extras e o aumento do poder produtivo dos funcionários dependem muito da posição adotada pela empresa. A simplificação é possível sim e a revista VocêRH cita alguns exemplos que podem auxiliar nesse processo:

Identificar os gargalos:

Uma boa maneira de identificá-los é através de pesquisas, como, por exemplo, perguntar aos funcionários quais são as tarefas ou sistemas mais frustrantes que fazem parte do seu trabalho e o que pode ser feito para melhorá-los. Marcos Scaldelai fez algo parecido quando assumiu a presidência da Bombril, em 2013. Ele pediu para que os colaboradores de todos os setores – exceto os gerentes – apontassem três soluções: o que poderia ser feito em sua área para aumentar o poder produtivo; o que poderia ser feito em outro setor para melhorar o poder produtivo do seu; e o que a empresa como um todo poderia fazer para produzir mais. De acordo com Scaldelai, essa atitude resultou no mapeamento dos maiores gargalos de cada departamento.

Saber priorizar:

As pessoas tendem a trabalhar melhor quando sabem o que se espera delas.
Para isso, recomenda-se que a empresa estabeleça metas de produção para os indivíduos e métricas claras para o negócio.

Facilitar a decisão:

Quando os colaboradores têm liberdade de tomar as próprias decisões, os projetos tendem a fluir melhor. Eduardo Aron, presidente da fabricante de rações animais Guabi, acredita que a confiança impacta diretamente o poder produtivo. Se o líder confia em seus liderados deve comunicar o que espera deles e deixá-los trabalhar. “Você atrapalha menos e eles rendem mais”, argumenta Aron.

Usar métodos:

Muitas vezes as pessoas estão tão acostumadas ou compenetradas em suas atividades que não conseguem identificar o excesso de esforço ou as oportunidades de melhoria. Usar métodos pode ajudar a repensar o modo de trabalhar, através da visualização do passo a passo.

O gestor de RH tem um papel fundamental na busca da simplificação dos processos da empresa! É de sua responsabilidade alertar a organização para o excesso desnecessário de trabalho, que já se tornou comum. Além disso, pode se tornar o grande catalisador dessas mudanças e contribuir para o aumento do poder produtivo, saúde e bem-estar das pessoas e da empresa como um todo!

Simplifique!

Categorias
Produtividade

3 Hábitos de Pessoas de Sucesso Antes das 8 da Manhã

A maneira como você inicia sua manhã impacta o sucesso do seu dia. Por isso, é importante definir rotinas que inspiram sua mente!

O que diferencia pessoas bem-sucedidas de todos os outros é a maneira como utilizam o tempo. Você gostaria que o dia tivesse mais do que 24 horas? Então isso é um sinal que você precisa maximizar sua performance!

Corra atrás do sucesso logo cedo: 3 hábitos matinais revolucionários

Categorias
Produtividade

Alta Performance: 3 Dicas Importantes

Você sabia que 65% dos colaboradores ao redor do mundo consideram seu trabalho de alta performance? Por outro lado, o Brasil tem demonstrado resultados de queda produtiva nos últimos 6 anos.

Por que seu negócio não está atingindo a alta performance?

  • Seus colaboradores podem estar sobrecarregados.

Leia também: como orientar meus colaboradores a serem mais produtivos.

  • Falta de know-how.

Vale refletir se sua empresa e os colaboradores estão aptos a gerir, de forma estratégia, o negócio. Uma boa forma de fazer isso é analisando seus concorrentes (benchmarking). Analise se vocês estão ficando para trás em alguns aspectos e corra atrás das especializações necessárias!

  • Líderes inflexíveis.

Leia também: liderança situacional: o melhor líder que você pode ser.

Como garantir a alta performance do negócio?

Receita de bolo você não vai encontrar. Mas depois de alguns anos de mercado, trabalhando com o desenvolvimento humano, nós percebemos que sem essas três etapas, dificilmente você vai conseguir mudar a performance atual do seu negócio. Confira:

Categorias
Produtividade

Eficácia: 3 passos para trabalhar de forma inteligente

Você concorda que uma das características mais atraentes em um colaborador é a sua eficácia?

O nível de eficácia de um colaborador é um ponto delicado para as empresas, pois pode tanto alavancar os resultados como estagná-los. Apesar disso, nos últimos 10 anos o crescimento da taxa de produtividade mundial diminuiu significativamente, o que tem tornado a busca por essa qualidade ainda maior.

Estima-se que temos de 12 a 80 mil pensamentos por dia. No que seus pensamentos estão focados? Muitas vezes, obrigações profissionais e pessoais, assim como projetos inacabados, competem pela nossa atenção, e é aí que está o problema.

Quer se tornar um colaborador referência em eficácia e se destacar? Veja nossas dicas abaixo.

 

Categorias
Produtividade

Produtividade: metas de 2017

Início de ano é sempre um período de planejamento. Veja como você pode otimizar esse processo e potencializar suas chances de sucesso no ano.

 

gestão do tempo para metas ano novo
administre suas metas de 2017

Produtividade: administre suas metas de 2017

É tempo de avaliar os projetos do ano que passou e decidir quais serão as estratégias para os 12 meses que estão por vir. Este momento é crucial para definir quais são suas metas para o ano (crescer 10% até dezembro, conquistar novos nichos do mercado, consolidar a marca como referência no ramo de atuação, etc.).

Categorias
Produtividade

Gestão de tempo: você é o Protagonista

Você já chegou a sentir como se estivesse praticamente perdido em meio a todos os afazeres dos quais precisa dar conta? Sente-se cada vez mais sobrecarregado com os pedidos e demandas que não param de chegar de todos os lados?
Se você se sente assim, você não está sozinho.